Diminuir Tamanho da Letra Aumentar tamanho da Letra

Serviços e Exames

Reprodução Assistida / Exames diagnósticos

Já na primeira consulta, o casal que procura tratamento para infertilidade recebe a solicitação de alguns exames, buscando excluir algumas doenças infecto-contagiosas, fatores masculinos e anatômicos.

Exames Sanitários

São exames de sangue com a finalidade de detectar alguma doença infecto-contagiosa no casal. Constituem-se de exame Anti-HIV I e II (detecção do anticorpo contra o vírus da AIDS), Anti-HCV (detecção do anticorpo do vírus da hepatite C), Hbs-Ag (detecção do antígeno da hepatite B), VDRL (rastreamento da sífilis), sorologia para Clamídia IgG e IgM, Rubéola IgG e IgM e tipagem sanguínea. É de fundamental importância a detecção dessas doenças no período pré-concepcional, pois após a gestação alguns desses agentes podem ser transmitidos ao feto através da placenta com graves repercussões na gestação.

Espermograma

Consiste na coleta de, no mínimo, duas amostras de sêmen, através de masturbação e com abstinência sexual de pelo menos três dias, para verificação das características macroscópicas do sêmen (cor, odor, viscosidade, volume, pH...), e microscópicas (concentração de espermatozóides por ml, motilidade, morfologia ou formas normais e vitalidade). O espermograma também fornece outros parâmetros que não fazem parte da linhagem reprodutiva como leucócitos (processos inflamatórios/infecciosos), hemácias (infecções, trauma, tumores...) e a bioquímica (ácido cítrico para função prostática e frutose para avaliação das vesículas seminais). Utilizam-se os critérios estabelecidos pela Organização Mundial de Saúde (OMS) como parâmetro de normalidade do sêmen. É importante salientar que o espermograma é um exame de rotina no rastreamento da investigação do fator masculino. Nesse exame, realizado a fresco, deve-se lembrar que os espermatozóides não estão preparados para o fenômeno da fecundação. É dentro do organismo da mulher, ou melhor, no trajeto percorrido da cavidade vaginal, colo uterino, canal cervical, cavidade uterina e trompas, que eles sofrem a reação da capacitação espermática, atingindo o seu poder fecundante.O espermograma não consiste em “teste de fertilidade”, mas sim num exame simples e inócuo, onde poderá ser constatado o status funcional dos testículos (produção e qualidade dos espermatozóides), servindo como um exame de rastreamento para fator masculino.

Espermocultura e Bacterioscopia

Esses exames são uma complementação do espermograma, no caso de ter sido detectado algum sinal sugestivo de um processo infeccioso (leucospermia, diminuição de frutose e ácido cítrico e aumento do pH).

Processamento Seminal ou Teste de Capacitação Espermática

Consiste no preparo do sêmen em laboratório, com a finalidade de simular a reação da capacitação espermática que ocorre "in vivo" no útero da mulher, além de eliminar células mortas e outras substâncias que possam interferir no processo da fertilização. Existem meios de cultivo específicos para esta finalidade, produzidos e comercializados pelas indústrias farmacêuticas. Várias técnicas são descritas para o processamento seminal (migração por gradientes, swim-up, swim-down, lavagem simples...). Após o processamento do sêmen, realiza-se uma nova avaliação das células espermáticas, enfatizando a concentração por ml e a motilidade progressiva.

Histerossalpingografia

É uma seqüência de exames de Raio X realizada sobre a pelve feminina (local onde se encontram o útero e as trompas) após a injeção de um contraste na cavidade uterina. Este exame deverá ser agendado após o término do ciclo menstrual, ou seja, antes que ocorra a ovulação, pois é contra-indicado nos casos de suspeita ou confirmação de gestação. A Histerossalpingografia somente deverá solicitada após uma avaliação do fator masculino para infertilidade, pois a finalidade é verificar a permeabilidade e possíveis alterações da mucosa das trompas e malformações uterinas.

Dosagens Hormonais

São exames de sangue que podem ser solicitados tanto para o homem quanto para a mulher. Não fazem parte da rotina para investigação e são pedidos somente quando há suspeita clínica de algum distúrbio hormonal como, por exemplo, na mulher, a Síndrome dos Ovários Policísticos, hiperprolactinemia, hipo ou hipertireoidismo, idade acima de 37 anos, falência ovariana prematura. No homem, o hipogonadismo hipo ou hipergonadotrófico, hiperprolactinemia, entre outros, também podem exigir o exame.

Laparoscopia

É uma cirurgia realizada através de um pequeno corte sobre o umbigo e pêlos pubianos por onde, após insuflação da cavidade abdominal com gás carbônico, entra uma pequena câmera, pinças e tesouras auxiliares com a finalidade de uma visualização "in vivo" de toda cavidade pélvica e abdominal. É considerado o método de escolha para diagnóstico de endometriose, Síndrome Aderencial e outras patologias não diagnosticadas por outros métodos. Salienta-se que é um procedimento cirúrgico que requer internamento hospitalar e anestesia geral com suas possíveis intercorrências. Não faz parte da rotina na investigação do casal infértil, sendo indicada quando há suspeita clínica de alguma patologia associada à infertilidade.

Histeroscopia

Pode ser diagnóstica ou cirúrgica. A histeroscopia diagnóstica consiste na introdução de uma fina câmera, através do colo uterino, dentro da cavidade uterina, com visualização direta do órgão. Para isso, insufla-se o útero com gás carbônico ou soro fisiológico. Não requer anestesia, na grande maioria das vezes, e a paciente é liberada ao término do exame. Ao contrário da histeroscopia cirúrgica, está indicada para ressecção de algum fator anatômico intra-uterino como pólipo, sinéquia ou mioma submucoso. Neste caso, a paciente é internada e o procedimento normalmente realizado sob anestesia na região lombar (peridural ou raquidiana) ou geral. São exames que também não fazem parte da rotina, sendo solicitados quando há indicação médica para tal.

Outros

Algumas vezes não é possível identificar a causa provável da infertilidade com os exames acima, o que caracteriza a infertilidade sem causa aparente (ISCA). É quando pode-se lançar mão de outros exames na tentativa de ampliar a investigação: pesquisa de anticorpos anti-espermatozóides, síndrome do folículo vazio, fatores psicológicos...