Osteoporose e a qualidade dos ossos

600 x 400px (1)

Os ossos são tecidos vivos que devem ser renovados durante toda vida. Isso mantém sua qualidade continuando resistentes e fortes. Para que isso aconteça, o osso velho é removido e substituído por osso novo.

A osteoporose ocorre quando a reposição do osso novo não é feita de maneira adequada. Assim, os ossos tornam-se frágeis e quebradiços e pequenos traumas, quedas ou esforços como tossir ou levantar um peso podem fazer com que fraturem. Os locais mais comuns de fratura são a coluna, quadris e punhos.

A osteoporose afeta homens e mulheres, sendo mais comum em mulheres brancas e após a menopausa. É uma doença silenciosa, pois não apresenta sintomas e muitas pessoas a descobrem após uma fratura. Alguns sinais podem chamar atenção como dor nas costas, diminuição da estatura e postura curvada.

Existem fatores de risco para osteoporose: sexo feminino, idade avançada, raça branca, pais com osteoporose, principalmente se tiveram fratura de quadril, e pessoas pequenas por já terem menor massa óssea. Hormônios como o estrógeno que diminui após a menopausa na mulher tem importante influência no desenvolvimento da osteoporose.

Público de risco

Nos homens com câncer de próstata e mulheres com câncer de mama, que tomam medicamentos para o tratamento, têm perda rápida da massa óssea. Fatores dietéticos são importantes como baixa ingestão de cálcio, dietas extremas e cirurgia bariátrica no tratamento da obesidade, pois diminuem a superfície de absorção de elementos nutritivos como o cálcio. Medicamentos como corticosteroides (cortisona) comprometem o processo de renovação óssea levando à osteoporose.

O risco de osteoporose é mais alto em pessoas portadoras de doenças como: doença inflamatória intestinal (Crohn), doenças do fígado e rim, reumatismos como lúpus e artrite reumatoide e câncer. O estilo de vida é importante na preservação do osso e certas condições podem ser prejudiciais como sedentarismo, tabagismo e alcoolismo.

A principal complicação da osteoporose é a fratura, que leva a uma qualidade de vida ruim, prejudica a capacidade laborativa e as atividades de vida diária.

Diagnóstico

O diagnóstico da osteoporose é realizado por meio da densitometria, um exame simples, rápido e seguro. A melhor forma de não ter osteoporose é a prevenção com medidas que evitam as situações descritas acima mantendo uma dieta com boa ingestão de cálcio (leite e derivados), exposição solar para produção da vitamina D, que é importante na formação do osso, e um estilo de vida adequado evitando o que é prejudicial. Mulheres entrando na menopausa devem procurar seu médico para fazer avaliação. O tratamento consiste na reposição de cálcio e vitamina D, exercícios e medicamentos que são capazes de reverter o processo de perda de massa óssea.

Gostou do tema? Siga-nos no Facebook e continue recebendo nossos conteúdos.

Pedro Weingrill (CRM 2435), reumatologista integrante do corpo clínico do Hospital Dona Helena



2 respostas para “Osteoporose e a qualidade dos ossos”

  1. Jaice Bitencourt disse:

    Pq não falaram do exercício físico que é o mais importante de tudo?

    • Hospital Dona Helena disse:

      Olá, Jaice.
      É verdade, a atividade física é muito importante para a prevenção da osteoporose e outras muitas doenças, e também incentivamos esse bom hábito, assim como uma alimentação saudável e equilibrada, por exemplo.
      No artigo que publicamos, no parágrafo sobre “Público de risco”, o médico reumatologista Pedro cita que o sedentarismo é um dos fatores de risco para o desenvolvimento da doença e que é importante ficar atento ao estilo de vida. Concordamos: prevenir é sempre melhor!
      Agradecemos a sua contribuição!

Deixe uma resposta

Certificações
  • Certificado NBR ISO 9001
  • Joint Comission International Quality Approval
Afiliações
  • Anahp
image chatbot

Este site utiliza cookies para melhorar e personalizar sua experiência de navegação e oferecer conteúdo personalizado. Para saber mais, acesse nossa Política de Privacidade.