Exames preventivos auxiliam no combate ao câncer do colo do útero

Recorte-da-imagem-blog-HDH3

O câncer do colo do útero é o terceiro tumor com mais frequência na população feminina, sendo a quarta causa de morte de mulheres pela doença no Brasil. Ele se caracteriza pela replicação desordenada do epitélio de revestimento do órgão, podendo comprometer outras áreas do corpo da mulher. A principal forma de evitá-lo é a prevenção.

Existem vários fatores que podem influenciar a evolução de um câncer. Dentre eles, os de natureza sociocultural, modo de vida e os fatores genéticos e predispositivos. A seguir, entenda melhor as características da doença.

O câncer do colo do útero

No câncer de colo uterino, o Papiloma Vírus Humano (HPV) está intimamente ligado ao curso da doença. Outros fatores envolvem atividade sexual precoce e múltiplos parceiros, tabagismo, uso de anticoncepcionais orais e gravidez múltipla.  

Trata-se de uma doença de crescimento silencioso, lento e progressivo. Na fase pré-clínica, a paciente não apresenta sintomas, porém existem transformações intraepiteliais progressivas importantes. Essas transformações podem ser detectadas pelo exame preventivo do colo do útero periódico. Pode se levar anos até atingir o estágio invasor da doença, quando a cura se torna mais difícil, se não impossível. Nessa fase, os principais sintomas são sangramento vaginal, corrimento e dor.

Prevenção

A prevenção do câncer de colo uterino está tão intimamente ligada à prevenção do HPV que devemos inserir a educação sexual e incentivar o uso de preservativo durante as relações sexuais, para evitar o contágio com o vírus. Atualmente, foi inserida a vacina contra o HPV no calendário básico de vacinação para meninas de 11 a 13 anos. Na rede privada, pode ser feito a partir de 9 anos até a idade adulta, conforme orientação do ginecologista.

Outra forma de prevenção é a detecção precoce através da realização do exame preventivo de colo uterino, conhecido como Papanicolau ou Citopatológico. A análise pode detectar as lesões precursoras e quando essas alterações que antecedem o câncer são identificadas e tratadas, é possível prevenir a doença em 100% dos casos.

Exame preventivo

Antes de realizar o exame, é preciso ter alguns cuidados: não utilizar duchas ou medicamentos vaginais ou exames intravaginais, como por exemplo, a ultrassonografia, durante 48 horas antes da coleta. Além disso, é importante evitar relações sexuais durante 48 horas antes da coleta; não usar anticoncepcionais locais, espermicidas, nas 48 horas anteriores ao exame; e não deve ser feito no período menstrual.

Diagnóstico

De acordo com as orientações do Ministério da Saúde, o exame citopatológico deve ser realizado em mulheres de 25 a 60 anos de idade. É recomendado realizá-lo uma vez por ano e, após dois exames anuais consecutivos negativos, a cada três anos. Essa recomendação se apoia na observação da história natural do câncer do colo do útero, que permite a detecção precoce de lesões pré-malignas ou malignas e o seu tratamento oportuno, graças à lenta progressão que apresenta para doença mais grave.

Melissa Perozin, enfermeira coordenadora do Centro Obstétrico e do Naim no Dona Helena

Gostou do tema? Siga-nos no Facebook e continue acompanhando nossos artigos sobre saúde e bem-estar.



Deixe uma resposta

Certificações
  • Certificado NBR ISO 9001
  • Joint Comission International Quality Approval
Afiliações
  • Anahp