image chatbot

Blog
Dona Helena

“Me apoiei no esporte”: jovem com perna amputada por câncer ósseo vira jogador de basquete em Joinville

Reportagem de Yasmim Eble, do portal O Município Joinville, com depoimento do oncologista clínico Lucas Sant’Ana, do OncoCenter Dona Helena

“O apoio da minha família e o esporte foram grandes aliados para que eu reaprendesse a viver”, relata João Matheus Duarte Padilha, de 23 anos, que foi diagnosticado com osteossarcoma, conhecido como câncer ósseo, aos 9 anos.

João é natural de Pitanga, no interior do Paraná, mas cresceu em Joinville. Atualmente, ele é atleta da seleção brasileira na modalidade de basquete em cadeira de rodas, mas sua história tem um ponto de virada em 2009, com o diagnóstico.

“Eu comecei a sentir muita dor na perna, na região do joelho, aos 8 anos. Dias após começar a doer, o local começou a inchar”, explica. Ao ir ao médico, retornou para casa com uma tala e alguns remédios. No entanto, a dor e o inchaço persistiram.

Quando voltou ao hospital foram realizados alguns exames, como o de raio x, mas nada foi encontrado. “A dor só foi piorando e precisei voltar ao médico, passei com o Dr. Álvaro, onde ele pediu uma bateria de exames para investigar a causa”, relata.

Um tumor entre o joelho e o fêmur foi identificado. O tratamento começou logo em seguida da descoberta. “Foram várias idas e vindas ao hospital, era um lugar que eu ficava mais do que a minha casa”, comenta João.

O morador de Joinville passou por 15 quimioterapias de um ciclo de 21. “A décima quinta quimioterapia me levou para a UTI, com pouca chance de voltar. Fiquei vários dias no local com queimadura de 2º grau por todo o corpo”, acrescenta.

Depois de dois anos de tratamento e quatro cirurgias, veio a opção que mudaria a vida de João e lhe daria um recomeço: a amputação da perna.

Um presente de aniversário

João explica que a ideia de amputar a perna veio dos médicos que realizavam o tratamento. “Foi sugerido logo depois que eu retornei da UTI. Minha mãe não aceitou muito na época, mas deixou em minhas mãos para escolher”, conta.

Ele viu nessa opção uma forma de voltar a brincar, andar de bicicleta e ter liberdade novamente. Aos 10 anos, no dia 26 de janeiro de 2010, ele realizou a cirurgia. “Foi três dias antes do meu aniversário e digo que esse foi o meu melhor presente, pois ganhei minha liberdade novamente. Pude voltar para casa e viver”, acrescenta.

O morador de Joinville relata que foi difícil reaprender e aceitar algumas situações, no entanto, com o passar dos anos, sua vida foi simplesmente voltando ao normal. “Eu não entendia muito na época, mas sempre tive minha mãe, meu pai, meus irmãos e familiares comigo, eles foram minha base”, completa.

Uma nova fase

Aos 13 anos, João conheceu o Centro Esportivo para Pessoas Especiais de Joinville (Cepe) e começou a praticar a modalidade de basquete em cadeiras de rodas. “Eu fui pegando o gosto e querendo cada vez mais. Com 15 anos eu estreei na equipe de competição, chamada Raposas do Sul de Joinville”, conta.

João foi destaque no campeonato brasileiro e dois anos depois, com 17 anos, foi convocado pela primeira vez para a seleção brasileira sub 23, na Argentina. Já aos 18, foi convocado para o Parapan-Americanos sub 21.

Recentemente, João foi convocado novamente para defender a seleção no sub 23, em uma competição no México. O time ficou em segundo lugar, atrás apenas dos Estados Unidos. O pódio garantiu a vaga para o mundial na Tailândia, que acontece em setembro.

Para o morador de Joinville, o esporte foi essencial para mudar a sua vida para sempre. “O esporte me proporcionou conhecer pessoas novas, outras culturas e a troca de vivências com outras pessoas que passaram por dificuldades. Eu me apoiei na minha família e no esporte”, explica.

Resiliência e mudanças

Com a ajuda de uma rifa, criada por amigos e familiares, João conseguiu trocar a prótese, o que melhorou sua qualidade de vida. “Eu aproveito a oportunidade para agradecer todos que me ajudaram a comprar a prótese. Estou cercado de pessoas que me querem bem”, conta.

Atualmente, João não está trabalhando. “Eu tenho uma rotina como qualquer outra pessoa, tenho dificuldades, estresse e cansaço, mas eu tenho a quadra para ter um escape. Lá esqueço de tudo”, conta.

Julho Amarelo alerta para osteossarcoma

João Matheus relata que a campanha do Julho Amarelo é extremamente importante para levar conhecimento para que as pessoas possam entender a doença. “Muitas pessoas me perguntam sobre a prótese e falam que não sabiam que crianças tinham esse tipo de câncer. Essa doença não tem idade, então é preciso conhecimento”, completa.

O oncologista clínico d do Hospital Dona Helena, Lucas Sant’Ana, relata que o conhecimento é o principal aliado para um diagnóstico precoce. “Osteossarcoma é um tumor ósseo maligno e normalmente acomete ossos longos, das pernas e braços, mas pode acontecer com qualquer osso do corpo”, explica.

A doença é mais frequente em crianças, adolescentes e jovens adultos justamente na fase de crescimento, devido à alta velocidade com que os ossos aumentam neste período.

“Esse tipo de câncer provoca metástase facilmente, por isso é necessário um diagnóstico rápido e um tratamento intenso”, conta.

O câncer pode ser classificado em três tipos, dependendo da velocidade de crescimento do tumor. “O tratamento varia para cada caso, mas consiste em quimioterapia, radioterapia e cirurgia para a retirada do tumor”, acrescenta o doutor.

Causa e sintomas

Geralmente, o osteossarcoma é causado por erros no DNA. As células começam a crescer e se multiplicar sem controle. Além disso, existem alguns fatores de risco que podem desencadear o osteossarcoma, como a idade, sexo (geralmente é mais comum em homens) e doença de Paget do osso.

Os sintomas são edemas, inchaço local, vermelhidão e calor, dor no local e nódulos perto das articulações.

Diretor Técnico: Dr. Bráulio Cesar da Rocha Barbosa - CRM 3379